Alquimia NeuroVENDAS
Qualificando para o $UCE$$O
Saindo Idade Média

                          
De olho no Futuro e saindo da Idade Média.

A empresa do futuro terá somente dois empregados: um homem e um cão.
O homem para alimentar o cão. E, o cão estará lá, para impedir o homem de tocar nos equipamentos.

Muito do que se tem dito/publicado sobre a solução dos problemas de "recolocação" no mercado de trabalho e, consequentemente da Empregabilidade
de cada um de nós, passa pelo melhoramento da nossa capacidade de correr riscos; do nosso grau de conhecimento; da rede de relacionamentos
[networking]; Marketing Pessoal; das formas de Comunicação; Imagem etc...

Ao contrário da percepção comodista e alienada de muitos de nós, o “eventual desemprego”, pode ser uma grande Oportunidade.
Entre tantos enigmas vividos pelos seres humanos, não menos enigmático, é
o desejo, a obsessão de se ter um emprego”.

Como explicar que, as pessoas reivindiquem um emprego [muitas vezes, qualquer emprego], que irá lhes escravizar e humilhar, como um direito?!
Necessidade de sobrevivência?! Medo do futuro?! Traumas do passado?! Insegurança e baixa-estima?...

Esta “crise atual de desemprego” é, possivelmente, a grande oportunidade histórica que o homem está se permitindo (mesmo que causada involuntaria-
mente pelos empregadores) para fazer um trabalho que realmente esteja de acordo com suas potencialidades, desejos e motivações.


Esta pode ser a grande chance de se libertar de um trabalho assalariado e alienante. Ao se verem obrigadas a deixar o trabalho assalariado, ou seja o
emprego, as pessoas terão necessariamente de amadurecer psicologicamente e descobrir em si mesmas, habilidades e competências por serem natu-
rais, trarão no seu exercício mais alegria e muito mais felicidade e
prosperidade.

O segundo passo nesse processo de amadurecimento será identificar quais são os “clientes” para essas habilidades e competências, ou seja, encontrar
pessoas ou empresas, que se disporão a pagar para ter essas habilidades disponibilizadas, temporariamente.
Mas, visto que estamos dominados pelo vício do emprego [somos quase todos “emprególotras”] e que nada nos convence de abandoná-lo, que solução
intermediária podemos nos propor?!

Nada mais inadequado ao momento do que a miopia que se tem emprestado à questão do desemprego, abordando-o simplesmente como um dado estatístico.
Na realidade, o grande problema que vivemos neste século XXI, não é uma crise de empregos, mas de
mudança de modelo mental (de Paradigmas).

Deveremos estar buscando e encontrando novas formas de prestar trabalhos que nos façam mais felizes e humanizados e que remunerados dignamente,
garantam a nossa Prosperidade.

Nessa altura dos acontecimentos, aqueles que estão em busca de “empregos”, só têm uma coisa a fazer: deixar de acreditar que alguém [governo, parentes,
empresários, Santo Expedito etc...] vai resolver o problema do seu ganha-pão, da sua sobrevivência neste "novo" e competitivo mercado.
Só os mais preparados (e ousados) vencerão!!

Quem ainda não percebeu que estamos vivendo uma revolução jamais vista pela história é porque ainda não parou para pensar ou, mantém-se alienado,
buscando soluções milagreiras, arcaicas, “humilhantes” e ineficientes para a solução de seus problemas. Sonhando com aquele “maravilhoso/fácil, empreguinho
fixo, estável e com salarinho certinho no fim do mês” ou, participar de “mil” concursos "questionáveis", de cartas marcadas. Ou ainda, a mais clássica: confor-
mar-se com o seu destino e ficar reclamando pelos cantos do governo, da situação, da sua vida miserável, da sua cidade e dos políticos...

O momento atual apresenta esplêndidas OPORTUNIDADES de $UCE$$O!!
Está na hora de perceber que empregos, daqui para frente, serão coisas transitórias, temporárias, com poucas regalias e muitos períodos de folga forçada.
Estamos aqui falando no fim de uma ilusão. Ilusão do “bom” emprego fixo estável, aposentadoria, décimo-terceiro, décimo-quarto, férias-prêmio etc...
com regalias oficiais e oficiosas.

Ao contrário de ser um castigo, essa pode ser a nossa redenção!!
É essa mudança fundamental de mentalidade que todos nós deveremos estar nos acostumando.
As empresas modernas não querem mais empregados. Querem Colaboradores que tragam lucros. Sustentar empregados improdutivos, nunca mais!!

O trabalhador na era pós-industrial deverá tomar o destino do seu trabalho, da sua sobrevivência, nas próprias mãos. Será um Prestador de Serviços para
uma empresa-mãe. Deverá a todo momento agir como se fosse o dono da empresa, um sócio, zelando pela eficiência, produtividade e lucratividade dela.

Esta é a grande mudança e a grande revolução que se inicia.

Vivemos momentos de profundas e radicais transformações que estão provocando uma verdadeira revolução de valores, de comportamentos e nos empregos.
O pior que podemos fazer hoje é reviver o passado, dizendo que deu certo para nossos pais, avós etc...

A globalização, a reengenharia, as tecnologias avançadas, a modernização das relações trabalhistas, o moderno conceito de empregabilidade, a terceirização,
a competitividade; todas essas “perigosas” tendências, aliadas à retração do mercado, às rápidas mudanças na economia, aos
baixos níveis de qualifica-
ção e comprometimento dos “empregados”
de hoje e, à falta de uma adequada orientação profissional estratégica [voltada para resultados] estão
provocando um declínio sistemático dos empregos tradicionais, das ilusórias estabilidade e segurança, da contratação futura, afetando a TODOS os recém-
formados e os desempregados [Baixa Empregabilidade] e suas pretensões.

Aristóteles imaginou o que aconteceria se, um dia, os fusos e rocas se pusessem a fiar sozinhos e todos os utensílios realizassem por si mesmos todas as tarefas.
Se isso acontecesse, imaginava ele, os homens estariam para sempre livres do trabalho e não mais haveria necessidade de escravos. Pena que o sonho de Aristó-
teles não tenha se tornado a nossa realidade. Apesar dos “fusos e das rocas” se fiarem sozinhos, a tecnologia e a automação ao contrário de libertar o homem o
tem escravizado. 

Continuamos ainda na laboriosa tarefa de lutar pelo direito [???] ao emprego, pela jornada de 8 horas, pelas humilhações profissionais, pelo salário mínimo [ou fixo],
o direito às férias, aos inúmeros feriados, aposentadoria por tempo de serviço, assistência médica gratuita (SUS), ao salário dessemprego, pelo direito às greves...
Mais do que um sonho, tudo se tornou um terrível pesadelo!!

O empobrecimento dos municípios, a corrupção, a falta de investimentos públicos, o fechamento de empresas, o “desaparecimento” dos empregos, a reestruturação
das empresas, a
falta de oportunidades para os jovens que chegam ao mercado, a migração exagerada de pessoas para os grandes centros etc...  é uma realidade
cruel desse século XXI.

Para prosperar no novo (e Competitivo) mercado de trabalho é necessário uma mudança radical dos conceitos de empregabilidade, dos paradigmas equivocados
[relação empregatícia], da excessiva insegurança e medos [do futuro] e da
falta de Profissionalismo.
 

Apesar da miopia excessiva da maioria das pessoas, mostrar o contrário, o pior negócio da atualidade, é ser empregado de “alguém”!!
O melhor negócio do momento é empreender o seu próprio negócio.

É ser um prestador de serviços para as Empresas Modernas.


O melhor que qualquer pessoa, que queira VENCER neste novo e competitivo Mercado pode fazer é, constantemente, QUALIFICAR-SE Estrategicamente,
Diferenciar-se dos demais, REINVENTAR-SE.

Saber criar o seu próprio futuro, sem depender de outras pessoas ou circunstâncias.

Em vez de ficar reclamando/revoltando contra tudo/todos, precisa APRENDER ser mais Competitivo.

Precisa adaptar-se aos padrões atuais, modernizar-se, perder o medo do desconhecido, descobrir quais as alternativas profissionais que pode exercer em sua cidade,
implementá-las com ousadia/coragem e determinação para alcançar mais rapidamente o $UCE$$O duradouro, que muitos e muitos profissionais já conseguiram.

$UCE$$O Profissional = Visão + Coragem + Competência...

Um homem não pode ser o resultado das expectativas dos outros...
Deve ser o GERENTE de seus próprios objetivos.
Ou ele é o administrador de suas metas pessoais, ou é operário das metas dos outros.


 REINVENTE-SE

 

Muita gente hoje sofre de ansiedade e se sente culpada, porque o tempo todo jornais e revistas dizem que a pessoa tem de "REINVENTAR-SE", para conquistar as
melhores OPORTUNIDADES do mercado de trabalho,
e ela nem imagina que diabo vem a ser isso.

Mais uma preocupação: a de "reinventar-se", num mundo que nos castiga todo tempo com mudanças intensas e agudas. Se é verdade que os modismos trazem
prescrições estranhas e angustiantes, é verdade também que as pessoas se sentem perdidas com o fato de verem seus espaços profissionais minguarem, sem saber
para onde ir ou a que/quem recorrer.


Nesse cenário, o nome Franklin Santos traz uma luz, tênue que seja. Quem é ele? É aquele jovem carioca, estudante de administração de empresas, que especializou-se
em ganhar concursos. Isso mesmo, conforme já mostrado na Revista da Folha e no Fantástico, Franklin dedica-se a concorrer em tantos concursos quanto for possível.
Dessa forma, como a vida se encaixa em estatísticas, ele acaba ganhando um certo número deles – e vive disso, muito, muito bem, a considerar os sonhos e aspirações
da classe média. Ele inventou uma profissão.
E são muitos os exemplos disso.
Por exemplo: Você já pensou em aprender NeuromarketingWEB (a Profissão da Crise)?!


De certa forma TODAS as profissões tradicionais estão precisando de ajustes e reparos para se adaptarem ao "NOVO" mercado. Isso quer dizer que:

 

· Deve-se não só aceitar, mas buscar e incorporar a "novidade" que viabilize a própria profissão. Ser gerente 20 anos atrás era uma coisa.
  Ser gerente hoje é outra.

 

· Embora as coisas tenham andado particularmente difíceis nos últimos anos, há nichos e oportunidades ainda esperando por exploração.
  Difíceis de encontrar certamente 
são, mas cansar de buscá-los também não leva a lugar nenhum.

O AlquimistaMaisVENDASArquitetoSUCESSOCoachSUCESSODesemprego NUNCA MAISDesempregadoEmpregabilidadeNegócio FECHADOMais ClientesWorkshopPREÇONeuroVENDASCopyWRITER 300%Vender MAIS na criseTá muito caro!!Proposta IRRECUSÁVELPreço Competitivo?Descontinho?EBook PREÇOSaindo Idade MédiaTeleVENDAS 300%Miopia em MarketingMAU Atendimento6o PrincípioSucessoWEBReceita INFALÍVELMorreu?Dás e ReceberásVaca pro Brejo